segunda-feira, 23 de junho de 2014

Noite passada



Era tão real
Sua voz, seu cheiro
Os sinos tocaram
Os morcegos voaram
Mas eu permaneci
E a senti

Noite passada
Pude vê-la dançar
Um sorriso sombrio
O perfume de uma flor
Dama-da-noite
Que ironia

Em volta da fogueira
Um sátiro tocava sua flauta
Demônios observavam
O coveiro cavava um buraco
Talvez era meu funeral
Ou apenas um sonho.

Um comentário: