sábado, 28 de julho de 2012

Adeus




Não faz sentido
A estrada e seu fim
O barro e as pedras
As lágrimas e o sangue

Vou andando
Mas desta vez
Sem pressa
Perdi a noção
Do meu rumo
Da minha casa

Devagar nos passos
Cada vez mais lento
Mais escuro
Mais silencioso

As coisas no mesmo lugar
Mas desta vez sem vida
Perderam o sentido
As árvores, a lua, a noite
Volto pelo mesmo caminho
Mas sozinho

Minha garganta seca
Não consegui dizer adeus
Engasguei na minha angústia
E quando me virei
Uma única lágrima desceu
O último suspiro de esperança.