segunda-feira, 10 de outubro de 2011

Forsaken




Um rio de sangue
Sensação estranha
Como se fossem suas veias
Á mostra e forçada
Eles se banham e riem de você
Eles se alimentam e sentem dor

Parado e olhando o vazio
Percebo que eu os criei
Em meus momentos de loucura
E agora minha carne é devorada
A cada instante sinto dilacerar
No final não mais existirei

Sonhei com o inferno
Ou acordei por um instante?
Não terei esta resposta
Pois me acostumei com o silêncio
Só quero ir além deste rio
E deixar meus demônios para traz

Se pudesse me libertar
Destas malditas correntes
Que fazem meu pulso sangrar
Para meus demônios alimentar

Olho á cima e um sol negro
Uma paisagem sem vida
Tempestade obscura e silenciosa
Somente ou som do vento e choro
Murmúrios de dor e sofrimento
Á todas as pessoas que fiz sofrer.

2 comentários:

  1. Penso em coisas como oque disse que na terceira estrofe direto...

    Carpe Noctem~
    http://mohhomes.blogspot.com/

    ResponderExcluir